Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu, ele e a Alice

Eu, ele e a Alice

Mês de Agosto

saudade1-1024x1024.jpg

 

Tenho uma relação de amor/ ódio com o mês de Agosto, anseio tanto a chegada dele tanto quanto temo o seu fim.

 

Já mencionei por cá que tenho minha família toda fora, meus pais e irmão na França e minha irmã, cunhado e futuro sobrinho na Suíça.

Durante o ano vamos falando pelo telefone, vamos fazendo skype, os avos comunicam com a neta pelo ecrã do computador, ela já os reconhece muito bem, ri-se para o ecrã e faz as suas gracinhas de bebé. Sabe bem dá para descansar a saudade que assola nossa alma, mas não chega, nunca chega, queremos sempre mais.

 

No inicio fazia Skype sem problemas com meus pais e irmão, mas quando minha irmã se mudou para a Suíça, quando ela se foi deixou um grande vazio em mim. Sabem aquele ditado que diz, “Olhos que não vêem coração não sente”, eu sou exatamente assim. No inicio eu não queria fazer skypes com ela, evitava, eu literalmente fugia de casa para não estar perto computador para não fazer skype, falava pelo messenger pois custava menos.

Não sei explicar o que sentia, eu queria vê-la, mas doía demais. Mal a via no fundo do meu ecrã as lagrimas vinham ao de cima e não queria que ela visse e sentisse isso, por isso engolia as lagrimas, já é duro para ela estar longe de todos não precisava de ver a irmã mais velha a chorar, eu não podia fazer isso eu sou a mana forte. Vê-la ali tão perto e não lhe poder tocar, abraçar, custou me, não puder conforta-la e dar força com minha presença física era duro.

 

Mas a vida é assim mesmo, é o que dizemos a nós próprios, vamos guardando a saudade dentro de uma caixinha enfiada algures num cantinho do nosso ser, tentamos não pensar muito nela para não entrar em nostalgia, mas então veio o meu maior tesouro a menina dos meus olhos e a dificuldade de ter a família longe voltou a despertar esse sentimento escondido guardado lá algures no fundo do nosso ser e quando ela se abriu foi uma autentica caixa de Pandora.

 

Quando a Alice nasceu os dois primeiros meses foram muito duros psicologicamente, foi muito duro aceitar esta situação,  a dureza e a dificuldade de ter a família fora emergiu muito maior, a saudade esta a rebentar e a alma grita, ter os meus pais e irmãos fora se tornou difícil, não é justo estamos tão afastados e eles só puderem participar no crescimento da neta e afilhada através de um ecrã, todos os dias sem exceção mando fotos da menina para não perderem nadinha de nada dela, dói muito e cada vez dói mais pois agora também vem um sobrinho a caminho e não vou puder estar com ele sempre que me apetecer vou perder o que minha família esta a perder com a Alice, não estamos a ver a nossas crianças crescer.

 

É por isso que anseio pela vinda do mês de Agosto, significa que a minha família esta a chegar significa que vou puder falar com eles a viva voz, vê-los a serio acabou-se o computador em casa nem o ligo pois já não a essa necessidade eles estão aqui comigo. Eles estão a participar no dia a dia da Alice, estão a mima-la, a brincar com ela, estão a ver a neta e sobrinha crescer durante um mês, um mês muito pequenino. Mas ao mesmo tempo que meu coração se alegra minha alma começa já a estremecer e a apertar pois significa que o adeus também vai estar a porta e raios me partam, ele dói, o adeus é doloroso, passo o mês todo com um nó na garganta.

 

 

Meu estado de espirito esta inquieto, sabem quando damos uma gargalhada boa daquelas que vêm lá do fundo, daquelas de doer a barriga até virem as lagrimas aos olhos, mas no fim já nos encontramos a chorar de verdade pois damo-nos conta que só nos rimos assim um mês por ano com aquelas pessoas, as tuas pessoas e que daqui a nada elas já não estão cá. Infelizmente este ano não estamos completos, a mana não pude vir, circunstancias da vida, por isso o computador não esta completamente esquecido. Oh Sina!

 

Dou me conta que a saudade sempre fez parte de mim e da minha família, vivo a 30 anos uma vida de saudade e já não sei o que é viver sem isso, eu nunca soube. Eu acho mesmo que nesta altura do campeonato a saudade é um órgão vital no meu organismo, meu corpo não saberia funcional sem ela. Minha alma é puramente portuguesa sem sombra de dúvidas, minha alma é banhada em saudade!

 

Desejo a todos um bom mês de Agosto!

 

Mamã da Alice!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D